Puxar assunto com uma mulher pode ser algo muito difícil para muitos homens, as vezes quando vamos conversar com uma mulher devemos entrar no mundo delas, como se fosse uma criança que se impressiona com aquilo que vê, escuta, algo que chame a atenção!

Parece estranho dizer que quem vai conhecer alguém possa já demonstrar desinteresse, mas é suscetível.

Quando alguém, por vezes tímido, foca demais no seu mundo fechado e não se preocupa em como ela pode reagir, isso pode gerar consequências em cadeia como por exemplo: o rapaz chega com seus temores [o que é normal], mas ao invés de ser franco que está nervoso devido a situação que passa a imaginação desesperada, fala coisas sem sentido, trêmulo, deixando a garota nervosa.

Pode dar certo, mas arriscado.

Observação: não que a pessoa do exemplo não esteja pensando na outra pessoa, mas não se dispôs a conhecer ela, pois está centrada demais em suas ações.

Tem que ser mais natural e deixar a conversa fluir.

Bem, as mulheres gostam de ser ouvidas, e isso é um ponto favorável.

Logo abaixo algumas dicas para puxar assunto:

1. Perguntar sobre seu dia

Entenda o que se passa, o ambiente em que ela vive, seus anseios, preocupações, dedicação, expectativas perguntando o que ela faz, onde trabalha, seus interesses (música, livros).

Sua veste pode dizer muito sobre ela. Observe o que usa, o que traz consigo.

Roupas estampadas com elementos de séries podem já sair um bom papo dali.

O tipo da pessoa também leva a abordagem diferentes: uma pessoa mais acanhada não vai curtir nada que venha com elogios e cantadas prontas que fazem ela ficar sem jeito e com vontade de correr dali.

Se quer respeito, se porte como tal. Tem que mostrar que deseja, de fato, conhecer quem ela é. Para isso, precisa ouvir.

Como já foi falado mais acima, as moças curtem falar, o que facilita de certa forma, pois seu dever é prestar atenção para usar os dados para fazer algum apontamento, mostrar que entendeu e que lhe agrada, se for o caso.

Também sugere elogios, que usados de forma inteligente, pode ser bem apreciados.

2. Falar do ambiente

O cenário pode favorecer, como também pode ser inconveniente.

Para iniciar o papo, falar se gosta do som ambiente, se vai frequentemente ali (essa é conhecida, pode funcionar), ou se já assistiu um evento próximo dali. Tem que ter uma bagagem.

Quanto mais saber dela, saberá lidar com domínio sobre a questão para se sair melhor. Em casos em que a pessoa é mais vaidosa, vai em academia e você também, já tem assunto.

Tem que entender que cada pessoa tem sua peculiaridade, e que irá variar em função disso.

Talvez ela curte dança, artes marciais, seja voluntária em uma instituição de caridade, goste de rock, a cor preferida seja laranja, seus hobbies tem n possibilidades e seu papel é organizar isso para bem pontuar, conseguir relacionar contigo e quem sabe, descobrir que se completam e que podem ter um relacionamento sério.

É claro que isso não é tudo de uma vez, tem um tempo e deve saber lidar, não ser ansioso demais e nem preguiçoso, é necessário mostrar o que sente antes que outro o faça.

Não encare aqui como tomar medidas sem pensar, pode colocar por água abaixo todos os planos. Moderação é a palavra.

Parece contraditório, mas para alguns deve se recomendar que sosseguem e para outros que deve caminhar, ser mais confiantes, depende da situação do leitor.

3. Experiências da vida

Isso enriquece o discurso: o que você viveu, o que ela viveu.

Mais legal se tiver uma história engraçada [veja que não seja infantil].

Exemplos: é servido uma comida, daí lembra uma situação em que esteve presente com os amigos e acabou derramando na sua camiseta e isso agora lhe rende boas risadas.

Ou ainda, uma bebida que lembra algo familiar, uma receita de vó. Mais, cheiros que lembras seus anos de infância.

Isso dá uma autenticidade, uma segurança, e o lúdico abre espaço para algo mais sério.

Parafraseando um estudioso, para ser sério, tem que recorrer a brincadeira.

As risadas permitem que um outro rumo a conversa, e dá liberdade para que a dama também revele fatos da sua história, se assim ela quiser.

Mas, por favor, não confunda ser engraçado com ser bobo. Tem “brincadeiras” muito inconvenientes, que só prejudicam e colocam a pessoa em posição incomodada.

Falando de rejeição, como está sujeito a acontecer, não se desespere.

Permita que o papo ocorra de forma que seja início de uma amizade, e quando ousar e ela não corresponder, talvez não seja o momento certo, tem que ter discernimento e não querer bancar o esperto.

Dá para perceber quando alguém não está interessado, está preste a dormir na conversa, olhar desviado ou mal intencionado.

Outra coisa: quando é aquela garota universitária, que curte estudar e tem mais repertório, o esforço para tornar agradável o papo é maior, pois exige voltar aquilo que já estudou para provar que sabe.

Não vai falar sobre o teorema de Tales com ela. Nada a ver.

Por meio do que ela fala, conecte com literaturas que leu, avalie a interpretação dela.

Estas mulheres tem mais bagagem cultural, podem gostar de algo mais alternativo e vale então ousar e revisar o que sabe a respeito para que não diga bobagens.

Se não sabe, é melhor ser franco. Franqueza deve ser sua parceira.

Aula Online:  As armas de Conversação mais poderosas para ter Assuntos Infinitos capazes de Persuadir e Influenciar Pessoas em QUALQUER situação, mesmo que você seja tímido ou precise de resultados em pouco tempo

Assista gratuitamente agora mesmo

Sobre o Autor

Santo Papo

Criador do Santo Papo e da franquia de treinamentos Guerra da Sedução, Marcel Kume já ajudou dezenas de milhares de homens de todo o mundo a ter uma vida amorosa plena e feliz, atuando como Coach de Relacionamentos. Hoje conta com o maior canal do Youtube brasileiro com o tema conquista e sedução de mulheres e já conta com mais de 270 mil inscritos.